close
CrônicaReflexão

Tempos estúpidos

A internet criou merdas que não imaginávamos em 1996. Estou longe de ser saudosista, pois no meio da década de 90 a gente não tinha serviços de streaming ou visitas virtuais a museus. Temos a Netflix hoje em dia, ok. Ponto para a atualidade. Em contrapartida, vinte anos pra trás, ninguém ficava doente por não ter uma carta ou e-mail respondidos de forma instantânea. A probabilidade de você ter uma conhecida vítima de revenge porn no final do século passado era, sei lá, a mesma de ganhar na Mega.

Mas talvez eu seja injusto ao dizer que a internet criou as merdas. A coisa toda poderia muito bem estar incubada, só esperando as condições ideais para a maturação, aí inventaram o www, o 5G e a banda larga e pronto: risquinho azul no WhatsApp, revenge porn e seu primo no terceiro período de administração dando pitacos — e com desenvoltura de especialista — sobre crise sanitária, desenvolvimento de vacinas e política internacional. Que desgraça.

O comentarista de tudo é um cu dentro do outro. Um porre. As redes sociais, em resumo, criaram novos chatos e evoluíram os antigos pés no saco. Estão todos em um fã-clube. Entretanto a maior desgraça dos últimos anos e aflorada pelas redes sociais, para mim, foi a seguinte:

Descobrir que vocês descobriram amigos, pais e primas fãs de políticos, desses que demonizam qualquer um que pareça fazer parte do fã-clube oposto, que cortaram relações e espumaram impropérios que com certeza não deveriam ter espumado caso receassem um arrependimento, e agora que o tal arrependimento chegou, não dão o braço a torcer. E tudo catalisado por esse espacinho virtual aqui, repletos deles, os fã-clubes.

Que bela, mas que belíssima desgraça para se viver.

Tags : bolsonarobrasilcorona víruscrônicainternetpolítica
Marcos Marciano

The author Marcos Marciano

Marcos Marciano é um ser humano amador. Formou-se em Psicologia pela Universidade Federal de Minas Gerais, lê livros por esporte e escreve por falta de vergonha na cara. Ainda não sabe por que a Débora resolveu se casar com ele.